MENU PRINCIPAL
    CANAIS
    PROGRAMAS
 
:: ENQUETE REGÊNCIA FM ::
Você é a FAVOR ou CONTRA a REFORMA DA PREVIDÊNCIA?
FAVOR
CONTRA


Ver Resultados
 
CADASTRE E RECEBA
NOSSAS NOVIDADES
RÁDIO REGÊNCIA FM - 107,1 MHz : 1º Lugar ::
Nome:
E-mail:
 
SOMOS AFILIADOS
 
SOMOS AUDITADOS
 
LINKS
Associação Internacional de Radiodifusão - Internacional Associação de Broadcasting
Liberdade de Imprensa
Conselho Executivo das Nomas-Padrão
Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária
Associação Brasileira de Anunciantes
Todos Pela Educação
Denuncie Rádio Ilegal

 

 
Obra de saneamento em Marília tem acréscimo de mais de R$2,6 milhões
Já foram feitos sete aditivos em 21 meses
O contrato da Prefeitura de Marília com a empreiteira Replan Saneamento para obras de tratamento do esgoto dos córregos do Barbosa e Pombo ficou R$ 2,689 milhões mais caro. A obra já acumula sete aditivos em 21 meses e um custo 35% maior que o do valor inicial.
A obra foi contratada em julho de 2018 com previsão de custo de R$ 30,756 milhões. Desde então os aditivos já provocaram acréscimo de R$ 10,789 milhões ao valor das obras que envolve a implantação dos sistemas de afastamento e tratamento de esgoto das bacias do córrego Barbosa e córrego do Pombo, que juntas representam quase 70% do esgoto da cidade.
O primeiro aditivo foi assinado poucos meses depois para incluir prazo de atividade de pré-operação. O segundo, assinado menos de um ano depois, provocou um acréscimo de quase R$ 6 milhões. Em cinco meses desde Dezembro de 2019 o contrato recebeu novos acréscimos de R$ 4,8 milhões.
Além dos acréscimos de valor, a Replan ganhou um prazo extra de um ano para a conclusão da obra, uma medida assinada em janeiro deste ano. A empresa é a principal fornecedora de mão de obra e serviços para a Prefeitura. Ela já venceu também as licitações para construção da terceira bacia de tratamento, do córrego Palmital, com custo inicial de R$ 40 milhões.
A Replan também é responsável por contratos para locação de máquinas e equipamentos, para construção de Ecopontos em vínculo com a Secretaria de Limpeza e Meio Ambiente e com obras de ligação e reparos de rede para o DAEM.
Antes da Replan, o contrato para instalação das redes de tratamento foi assinado em 2013 com a ‘O.A.S.’, então uma das maiores empreiteiras do país, que seria engolida pelo escândalo da operação lava jato e paralisou as obras em 2015.

Notícia Postada em 06/05/2020 às 16:13:33 por: Jornalismo Rádio Regência FM






Copyrigth © 2020 RÁDIO REGÊNCIA FM - 107,1 MHz : 1º Lugar :: .Todos os direitos reservados

Rua Pedro de Toledo, 355 - Cep 16400-101 - Lins - SP | 14 3522-1722 | regenciafm@terra.com.br
 
  Termos de Uso Administrado por: Edaz Comunicação